O homem que sabia demais

23 ago

“Não faça aos outros o que não gostaria que fizessem a você”.

Diga a verdade: isso não lembra uma bronca da vovó, naquele dia em que você resolveu esconder o brinquedo do seu irmão menor? Por mais que o tom não seja dos melhores, a frase faz todo o sentido. Trata-se de um conselho baseado na ética, no respeito ao próximo, na convivência harmônica com o outro. Deve ser por isso que você, depois de adulto, vem repetindo esse pensamento um milhão de vezes, sem se perguntar muito de onde veio.

Agora pasme. Essa frase é velha, muito velha. Ela veio da China, da mente de um homem que viveu cerca de 500 anos antes de Cristo e que revolucionou todo o modo de pensar do mundo em seu tempo. Suas idéias sobre uma ética humanista e a fraternidade universal sobreviveram aos séculos e impregnaram o modo de vida de milhares e milhares de pessoas, chegando até o Ocidente­ e aos ouvidos da sua avó.

Confúcio era o nome desse homem.

O filósofo e educador Kung-Fu-Tzu (Confúcio é a latinização do nome em chinês, que significa Venerável Mestre Kung) nasceu em 551 antes de Cristo, numa pequena cidade do estado de Lu, onde hoje é a província de Shantung, na China. O cenário naquela época era assustador ­ o país havia sido fragmentado em um grande número de estados governados por nobres que tinham a guerra e a matança como seu principal passatempo. Sem contar que a corrupção corria solta e os governantes viviam explorando seus súditos. Enfim, tinha muita gente na miséria e pouca gente se dando bem.

Confúcio, que desde cedo se demonstrou um estudioso inveterado das tradições chinesas, começou a desenvolver seu pensamento diante desse pano de fundo absolutamente caótico. Para salvar a civilização do pandemônio, dizia ele, era preciso restaurar o mundo sob uma base ética. E o único jeito para isso seria inventar um novo código de conduta que todos deveriam seguir, a começar pelos governantes. “Se o rei for honesto, quem mais ousaria ser desonesto?”, perguntava.

A base que permeia todo seu pensamento é o ren, que pode ser traduzido como benevolência ou humanismo. O que quer dizer isso? “A virtude está em amar todos os homens, sem exceção”, dizia. É bom lembrar que ele proferiu essa frase 500 anos antes do nascimento de Cristo, autor do “Amai-vos uns aos outros”. No pensamento confuciano, a frase é a síntese de dois conceitos: amor e altruísmo. O primeiro marca a idéia de afeição recíproca, compreensão e equilíbrio entre as pessoas. O segundo segue a linha da ajuda desinteressada, sem esperar nada em troca.

Mas como disseminar uma mensagem pacifista num mundo dominado pela guerra? Para Confúcio, o jeito era investir na educação. Embora seu sonho fosse conseguir um cargo de liderança, o sábio passou a vida toda lecionando. Ele ensinou suas idéias não apenas aos futuros governantes da China, mas a todos os que quisessem aprender. “Para ele, o principal motivo da degradação da humanidade estava na falta de educação. Se todos, sem exceção, fossem devidamente educados, saberiam como viver em harmonia”, diz André Bueno, sinólogo e professor de filosofia da Universidade Gama Filho (RJ). Sua linha de ensino levava em conta as aptidões individuais e pretendia desenvolver em cada aluno seu caráter e sua humanidade, sem que ele precisasse decorar fórmulas e conhecimentos técnicos. Confúcio certamente estaria se revirando no túmulo se soubesse a forma como os alunos estudam hoje para as provas do vestibular.

Apesar de passar boa parte da vida estudando ­ e ensinando ­, Confúcio nunca escreveu um tratado contendo suas idéias. Seu pensamento foi condensado em frases curtas e organizado por seus discípulos depois de sua morte no livro chamado Os Analectos. O livro contém breves afirmações, diálogos e até anedotas. ­ Pode-se dizer que Os Analectos estão para Confúcio assim como os Evangelhos estão para Jesus. Com certeza, você já ouviu ou leu algumas dessas frases, seja no dito popular, seja nos biscoitinhos da sorte que vêm com a comida chinesa. E foram esses pequenos conselhos que se tornaram um conjunto de normas de comportamento seguidas até hoje pelos países asiáticos ­ ou seja, por mais da metade do planeta.

Mesmo que para nós seus conselhos possam soar como sabedoria de bolso, Confúcio detestava blábláblá. Para ele, quem fala muito tem um pensamento superficial ­ à medida que a reflexão sobre algum assunto se aprofunda, o silêncio aumenta. “Quem possui a suprema virtude da humanidade reluta em falar”, dizia. Não era raro ele recusar-se a responder alguma questão: apreciava o silêncio. Considerava-o imprescindível e necessário, assim como o espaço vazio na pintura. A busca pelo silêncio tornou-se tão profunda em sua vida que, certo dia, pouco tempo antes de morrer, disse a seus discípulos: “Desejo não mais falar”. Os discípulos, perplexos, perguntaram de que forma então ele iria continuar a propagar seus tão sábios ensinamentos. A resposta não tardou: “O céu fala? E mesmo assim as quatro estações seguem seu curso e centenas de criaturas continuam a nascer. O céu fala?”

Pérolas de Confúcio em nossa vida:

  • “A virtude está em amar todos os homens”
  • “Não faças aos outros o que não desejas para ti”
  • “Quem diz o que não deve perde o amigo; quem não diz o que deve perde a palavra. O sábio não perde nem o amigo nem a palavra”
  • “Um cavalheiro deveria ser lento ao falar e pronto no agir”
  • “A virtude não é solitária ­ ela sempre tem vizinhos”
  • “Quando a natureza prevalece sobre a cultura, obténs um selvagem; quando a cultura prevalece sobre a natureza, obténs um pedante. Quando natureza e cultura estão em equilíbrio, obténs um cavalheiro”

confucio

“O melhor da sabedoria chinesa embalado para viagem.”

Revista Vida Simples

Anúncios

9 Respostas to “O homem que sabia demais”

  1. Rodrigo Figueiredo 23/08/2007 às 21:49 #

    É impressionante como esse velho fez frases que infuenciaram culturas inteiras.
    A Quantidade de ditos populares que são dele ou derivações dos seus dizeres são muitos.
    Educação realmente é a chave de tudo!
    Mas com um presidente semi-analfabeto fica dificil viu!

    Eu não me lembrava tanto dele e fiquei surpresa com a matéria da Revista… achei muito interessante tudo isso…

  2. neutron 24/08/2007 às 10:46 #

    Eu adorei essa frase: “quem fala muito tem um pensamento superficial”

    hehehe…

    Lembro que, quando estava na escola, ouvi falar sobre ele. Tinha uma professora de História que era supimpa e falou sobre os ensinamentos e a filosofia de vida dele.

    Se a gente seguisse ao menos uma parte… em especial, aquela que fala sobre o silêncio….

    Para mim, a mais importante é a que não se deve fazer aos outros o que não gostaria que fosse feito a você. Esse é meu lema de vida!

  3. jefferson p. 24/08/2007 às 19:07 #

    fiquei fascinado pelo Confúcio!

    talvez uma mãozinha de Kung-Fu-Tzu no séc XXI não seria nada mal.. rs

    Também gostei dele! E com certeza, só faria bem essa mãozinha!

  4. Cily 25/08/2007 às 20:44 #

    Adorei, moça!
    Cara sábio, né? Não sabia que ele viveu cerca de 500 anos A.C.

    Bjs!

    Nem eu sabia! Também achei legal!

  5. Mamy 25/08/2007 às 21:26 #

    “O céu fala? ” Rapá, esse chinês sabe das coisas mesmo! Muitas das coisas não precisam ser ditas, só observadas.

    Interessante que Confúcio cunhou o ensinamento ‘não faça a outros o que não gostaria que fizesse a você’. Cristo, cerca de 500 anos depois, falo coisa parecida, mas incentivando a ação, não a omissão, já que ele disse ‘faça ao próximo o que gostaria que fizessem a você’. Parece que não, mas há uma diferença substancial nessas duas frases, não é?

    Há a diferença, são complementares, mas pra mim, o sentido de ambas é o mesmo.

  6. Trotta 28/08/2007 às 15:01 #

    Um texto muito bem escrito! Queria poder escrever assim! O.o Hehehe!

    Também queria! Um dia chego lá! Esse veio da revista ó… Mas coloquei aqui porque achei a minha cara!

    Interessante a análise dele, de onde dá pra concluir que pessoas que dalam muito têm na verdade menos conteúdo do que aqueles que falam pouco. Já mencionei que eu falo bem pouco? Hehehehe! ^_^

    Não mencionou não! 😉

    Mas o que eu mais gostei mesmo foi de saber que o Confúcio chamava Kung Fu! 😀

    Abraço!

    Engraçado, né? Abração!

  7. ana p. 28/08/2007 às 21:31 #

    Essa do céu falar foi perfeita. Muita gente hoje em dia tem o mesmo dom de falar coisas simples, contendo uma grande lição de vida. Pena que nós, como disse o outro sabichão, não temos ouvidos para ouvir.

    E meu, fui lendo o texto e pensando, você é uma guria deveras sabida! Você tem um dom, viu, já pensou em… sei lá… lecionar? Enfim. Parabéns!

    Bem legal, né? Ah, mas não sou nada sabida! Esse texto vei de uma revista que adoro ler, tem o link lá em cima! Mas já pensei em lecionar sim, mas em faculdade! Beijão!

  8. Fefa 29/08/2007 às 13:03 #

    É, a arte da sabedoria é para poucos. Esses ditos são realmente muito valiosos, passam uma grande lição, poucos são aqueles que captam a idéia e a seguem.

    E eu também concordo, não é preciso falar muito. O silêncio é enriquecedor muitas vezes.

    Muito bom esse post, Má!

    beijão

    O mundo seria outro se todos fossem mais éticos e mais humanos, não? Adorei postar também! Beijão!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Mais um ano de blog « Publicações - Vol. 3 - 14/02/2008

    […] O homem que sabia demais (um pouco sobre […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: