Archive | maio, 2010

Mania com cadarço

25 maio

Tenho muitas manias, mas uma delas acho muito engraçada e beira quase o exagero: o jeito que as pessoas passam o cadarço pelos buraquinhos do tênis ou sapato!

Tenho um jeito todo metódico de passar o cadarço, que aprendi com meu pai. Nada daquelas coisas jogadas de qualquer jeito! Isso me dá arrepios e acho horrível, quase um desleixo!

Conto os buraquinhos na fileira: se o número for par ou ímpar começo de jeitos diferentes, de modo que na parte final, onde damos o laço, o cadarço saia e não entre em direção à língua.

Meço os dois lados, pra ficar em tamanhos equivalentes de cada lado e começo a passar; fazendo igual em ambos os lados: se o cadarço passou pelo terceiro buraco do lado esquerdo em direçãoà língua, o do lado direito será igualzinho. Nada de bagunça: tudo simétrico!

E, dependendo do meu estado de neuras do dia, ainda me preocupo com a ordem da laçada, para deixar a laçada de cima sempre a mesma.

Já cheguei a tirar o tênis do marido do pé pra arrumar do jeito “certo”.

E você: faz como?

Irrrrc!!!

Hmmm... nnnnnnnao!

Parece, mas não é!!

Assim é o certo! 😛

Idade

22 maio

Dia desses, na sala de espera de um consultório médico, ao entregar minha carteirinha do plano e meu RG pra secretária (bem louquinha, por sinal) ouço dela:

“_Nossa!! O seu RG ainda é daqueles digitados naquelas máquinas de escrever elétricas, que eram super modernas na época!! Trabalhei muito com ela em meu primeiro emprego. Fazia séculos que não via um RG assim!! Caramba!! E ainda é primeira via?? Minha mãe já está na décima-primeira!”

Devo dizer que me senti muito, mas muito velha. E nem tenho trinta anos!!

É cada uma…

Chega de mimimi!

20 maio

A vida da gente é, no mínimo, curiosa, né? Cheia de altos e baixos…

Se não damos atenção ao nosso sexto sentido, perdemos o rumo e depois, pra reorientar o barco, meu amigo, não é mole não!

Mas, como me disse um amigo, “depois da tempestade vem a bonança!”. E como é boa a bonança, né? Com ela veio o fortalecimento, o amadurecimento, a transparência, a cumplicidade, os planos… tudo até melhor do que antes!

Vontade até de “rasgar” esses posts mimimi aí de trás, apagar da memória (hein? memória de quê mesmo? nós nem lembramos mais, né?!), sabe como é? Tá tudo tão bom que faz a tempestade parecer um chuvisco de nada, como deve ser realmente encarada.

Então é isso: chega de mimimi e bora viver a vida! 😉