Cantina Capuano

27 nov

Depois que o Carlino (1881-2002) fechou as portas, o título de restaurante mais antigo da cidade passou para a cantina Capuano, aberta em 1907 por imigrantes do sul da Itália. Suas mesas, durante décadas, estiveram entre as mais freqüentadas de São Paulo.

E foi exatamente lá que nós (leia-se eu, e Fefa) fomos almoçar no sábado, dia 17 de novembro. Pedimos uma lasanha, que estava magnífica, como sempre! Fotos aqui.

Eu e o Rô conhecemos lá por acaso… há alguns anos. Queríamos comer alguma massa no Bixiga, tradicional bairro de imigrantes italianos. Passeando pelo bairro, avistamos uma placa em frente a uma pequena porta que dizia “Cantina Capuano: a cantina mais antiga de São Paulo”. Nos entreolhamos: seria lá mesmo. A casa é super simples e ao mesmo tempo aconchegante. Pedimos uma lasanha e um vinho. Que lasanha era aquela! Que sabor, que textura, que maravilha!! Pronto! Ficamos fãs! Já voltamos outras vezes; e já levamos amigos para conhecê-la também! E, agora, indico-a para vocês!

“O velho Capuano era assim, um capo tosta, um cabeça-dura, calabrês de Cosenza, que teimou em servir comida onde somente vendia vinho. O endereço era na Rua São Domingos, no bairro paulistano do Bixiga. Francisco importava barricas do tradicionalíssimo tinto Cirò e oferecia nacos de parmesão e sardella, também vindos da Itália. O povo trazia o pão de casa e ficava por ali, jogando bisca para ver quem financiava a bebida.

Acontece que o povo foi ficando com fome, e Francisco mais Filomena, a primeira mulher, acharam que cabia mudar para a Major Diogo, 263, onde passaram a oferecer um belo fusilli ao sugo na sala da casa. Depois veio o arroz com toucinho acompanhado de camarão com cebolinhas. E o cabrito a cacciatore revezado com frango a cacciatore. E a salada de miolo de alface. Pera ou maçã de sobremesa. Café. Cardápio fechado.

Isso foi em 1907. No Bixiga, a mãe das cantinas fez fama. O ambiente era rústico, com toalhas de papel sobre as mesas e prateleiras sobre canos de água. No salão de cima cabiam de 12 a 15 mesas. No de baixo, quase um porão, umas dez. Mas de povo tinha pouco. Francisco cobrava caro, mesmo porque não era barato comer fora na época. Mas oferecia muito.

Como a cantina ficava perto do TBC, atores como Procópio e Bibi Ferreira batiam ponto no lugar lá pelos idos de 1955 a 1960. Entre os engravatados que freqüentaram a “casa de pasto” constam o presidente da República Washington Luís, os presidentes do Estado de São Paulo Altino Arantes e Carlos de Campos, os governadores Lucas Nogueira Garcez e Adhemar de Barros. Getúlio Vargas tentou, mas solicitou um almoço. Francisco só oferecia jantar. Não abria exceção, nem para a fome presidencial.

Na cozinha, o calabrês pilotava soberano o fogão a lenha. Ele mesmo matava os cabritos e os frangos. E detestava que pedissem tempero. “Na mia casa, a comida já está salgada.” Sua terceira mulher, Concetta Scuotto, napolitana, 35 anos mais moça, foi quem dobrou o cuoco. “Por influência dela, nosso pai começou a oferecer também refrigerantes e cerveja, mas apenas Antarctica”, lembra Francisco Gabriel Capuano, o filho. Antes era apenas água e vinho Cirò.

Ainda por influência de Concetta, Francisco decidiu vender a cantina. Ela queria voltar para a Itália. Ele, meio a contragosto, aceitou. Passaram o negócio adiante em 3 de julho de 1962 para Ângelo Mariano Luisi e Savério Viola. Francisco tinha então 77 anos.

A saudade o trouxe de volta à América um ano e meio depois. Quis recomprar a cantina, mas Luisi não quis vender. Estava no contrato que o nome-fantasia Capuano também não lhe pertencia mais. Foi um baque para o calabrês, que, como tal, não se quedou: entre 1966 e 1967, assumiu em sociedade a Cantina Chamarré, no Bixiga mesmo. No ano seguinte, pediu a casa da Major Diogo, da qual era proprietário. Ali manteve a Cantina do Ciccio até 1971. Ciccio era seu apelido. Morreu em abril de 1977, com 92 anos.

Quando Francisco pediu a casa da Major Diogo, Ângelo Luisi, já sem Savério Viola, mudou-se para a Rua Conselheiro Carrão, 416, onde a Cantina Capuano funciona até hoje. No corredor comprido, agora de sua posse, Ângelo e a mulher, Ângela, tentaram manter o esquema de cardápio único de Francisco. “Minha mãe aprendeu a fazer as receitas do Capuano com os olhos, ele não explicava direito”, afirma Elizabetta, filha mais velha dos Luisis, que hoje toma conta do empreendimento com o marido, a irmã, Teresa, e o marido dela. “Não explicava porque não queria vender a cantina”, emenda Ângelo.

Ângela, que morreu no ano passado, manteve o fusilli e o cabrito a cacciatore, mas deu vez ao nhoque, ao ravióli, à bracciola, à polpeta. Pedem R$ 33,60 pelo fusilli, num prato mais que bem servido para dois. A dobradinha sai bem. Nas noites de sábado e no almoço de domingo, Ângelo ainda dá uma canja no bandolim e no clarinete. Parece um menino. Tem 87 anos.”

Fonte: http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup24900,0.htm

Anúncios

9 Respostas to “Cantina Capuano”

  1. Fefa 28/11/2007 às 11:32 #

    É realmente tudo de bom esse lugar. A lasanha é qualquer coisa de mto bom!

    Inesquecível… hummm!

    E então aquela senhora que nos recebeu na porta não era a Angela e sim a filha dela, não é?

    Pelo visto, sim!

    Qdo voltaremos?

    Beijos!

    Pergunta difícil, viu? Vc viu no site uma promoção que deixamos passar? Duas! Ganha um vinho quem comemorar o casamento ou aniversário lá!! 😦

  2. jujudeblu 28/11/2007 às 17:29 #

    Nhain, eu já tinha comentado, mas acabou indo pro post de baixo! hehehe

    Eu vi!! Mas não faz mal! Respondi lá tb!

    Então, repito o comment aqui, e digo que eu seria a primeira comentadora do post em questão! Puá!

    Uhuuuu!! Risos…

    Digo que já passei pela cantina… ela é mesmo meio “rústica”, mas pelo que vcs falaram, ela é mesmo muito boa! Um dia eu vou lá, para comer! ;~)
    Bjinhos, Má!

    Vai sim, Ju!! Beijos!

  3. Márci 28/11/2007 às 19:58 #

    Creio que já tenha ouvido falar dessa cantina, esse nome não me é estranho….Agora com uma propaganda dessa, eu me sinto obrigada a conhecer qualquer dia….Adooooro lazanha e afins !

    Pois pode ir!! É maravilhosa!!

  4. Rodrigo Figueiredo 28/11/2007 às 22:49 #

    Eu simplesmente adoro essa cantina!
    Não tenho coragem de ir lá e tentar qualquer outra!
    Lá é bom demais da conta Sô!

    Uai, sô!! É mesmo muito bão!! 😉

  5. Claudia Lyra 29/11/2007 às 0:51 #

    Gente, bem que eu queria ir a SP com tempo pra poder conhecer esses lugares, nham, nham…

    Valeria muito a pena, viu?

  6. neutron 29/11/2007 às 8:24 #

    Esse post me deu até fome, de tanta comida boa que tem aí. Nhan, hehehehe…

    Acho que eu já tinha visto uma reportagem sobre a cantina no Uol. Muito legal saber a história toda 🙂

    Responder esses comentários tb está me deixando com fome… ui!

  7. Cadinho RoCo 30/11/2007 às 1:15 #

    Não conheço a cantina citada, mas o Bixiga, este sim, é lugar iesquecível.
    Cadinho RoCo

    Muito obrigada pela visita! O Bixiga é muito bom, não? Quando voltar, dê uma passadinha na Cantina e na padaria Basilicata; você não vai se arrepender! Volte sempre!

  8. Trotta 30/11/2007 às 11:51 #

    E eu que fui até lá e não pedi a lasanha? Mas pelo menos comi o fusili, que foi o primeiro prato deles! ^_^

    Pois é!! Não lembro se já pedi o fusili, viu?

  9. Leandro Capuano 30/10/2009 às 8:04 #

    Gostaria muito de conhecer… afinal acho que tenho algo em comum com essa cantina…rs…… grande beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: